quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Apenas mais uma..


Ela era apenas uma menina de 17 anos, com uma terrível mania, talvez defeito, mas para os outros uma ótima qualidade, ela sempre se comportou da maneira como a sociedade a submetia, sempre abaixava a cabeça para seus argumentos, e os seus permaneciam em silencio, e ela continuava submersa a aquele mundo.
Enquanto as pessoas falavam e falavam, ela permanecia com seus pensamentos em silencio e transbordando, a vontade de falar, de se expressar era tamanha, que muitas vezes a única maneira de deixar tudo aquilo fluir era se afogar em lagrimas, era entrar em seu quarto, deitar em sua cama e chorar, apenas isso, talvez essa fosse a única forma de não morrer com tantas coisas dentro de si, pois o ali era o mundo que ela havia criado, só para ela e ninguém mais.
As pessoas ao seu redor sempre teimaram em ditar como ela deveria andar, como deveria vestir, o que poderia ou não fazer, ah e coitada dela se pisasse fora daquele circulo de fogo, se infligisse uma lei, era pedir para ser julgada cruelmente.
Era o seu dever sorrir para as pessoas, como se estivesse bem, enquanto sua maior vontade era de gritar, era de expulsar toda aquela raiva que ficava ali dentro, mas e claro que ela não poderia cometer tal ato, iria contra os padrões estabelecidos, jamais, isso seria terrível para sua auto imagem.
Quantas vezes teve que encarar uma pessoa que tanto a feriu, quantas vezes não queria receber ninguém em casa, mas uma boa menina nunca age friamente, ela tem que saber se comportar, tem que ser uma boa garota para não magoar a família, e todos aqueles que dizem que a amam. Engraçado que nenhum deles se importava realmente com o que ela pensava, com seus sonhos e planos, para eles tudo aquilo que ela tinha em mente, era impossível de alcançar, falavam que tudo aquilo era loucura, que o melhor era esquecer tudo aquilo e se conformar com aquela vida.
Aquela menina sentia que seus dias passavam arrastando, já não fazia mais sentindo viver aquilo tudo, ela parou e pensou: o que estou ganhando tentando agradar pessoas que não estão nem ai para mim, pessoas que não fazem a diferença na minha vida no final das contas, tentando agradar quem?
O que eles irão fazer no dia da sua morte? Irão olhar e dizer: Oh tao nova, uma menina maravilhosa! E ela ali morta com todos seus sentimentos guardados, todos eles foram consigo, sem nem ao menos ter ousado sair da caixinha, enquanto sua alma padece, as pessoas continuam a comentar: Tao nova, tao comportada, coitada! Naturalmente estarão fazendo aquela expressão facial de choro, e fingindo um sentimento que nunca tiveram, por que ela sabia quem realmente importava com ela, ela sentia, ou melhor ela teve que aprender a perceber essa diferença.
Ela não queria ser rebelde ou coisa do tipo, ela apenas queria ser quem era realmente, ela queria deixar seu verdadeiro eu existir, ela queria ousar, ela queria ir muito mais longe, seu sonho era apenas ser livre, acreditar em si própria, sem tantos julgamentos.
Mas ela era apenas uma garota de 17 anos com tantos sonhos para realizar, e que vivia com a cabeça na lua, coitada...

Nenhum comentário:

Postar um comentário