terça-feira, 30 de setembro de 2014

Insanidades

   No meio das minhas insanidades posso contemplar a feição das pessoas. Elas me olham com espanto, posso ate mesmo escutar elas dizendo que sou louca, Que tudo e loucura.
   As pessoas ditam suas regras e devemos obedecer, mas sempre tem os "loucos". Eu sou uma louca. Posso vê-los com o olhar fulminante, quando digo que não quero levar a mesma vida que eles.  O problema das pessoas são suas manias de podar as asas dos outros, eles querem ditar a felicidade. Para eles a felicidade esta em um diploma, em casar, em ter filhos. Nao que isso não seja felicidade, porem os de alma inquietas não acham que devemos apenas seguir essa linha de vida, eles conseguem juntar-los e contemplar a real beleza da vida.
  Mas quando me penso nessa vida cheia de regras me canso. Ja pararam para reparar nessas pessoas que se formam, casam, trabalham o tempo inteiro, chegam cansado, juntam alguns trocados para uma viagem nas ferias. E isso dura a vida toda. Eles existem. Apenas respiram. Posso sentir suas almas fadigadas seus olhos tampados por apenas juntar dinheiro, fortuna, tal coisa que ficara ai.
  A liberdade dentro de cada alma. Aquele momento de insanidade em fazer algo que vai virar uma lembrança para toda eternidade. Essa rotina me cansa, essa bajulação me mata a cada dia. Eu sinto que eles querem me dominar de alguma forma, sinto eles chegando com delicadeza, me trazendo encantos.  
 De tanto me ditarem o que devo fazer, acabei me afundando em tristeza profunda, eu só queria viver, só queria colocar uma mochila nas costas e sair por ai. Eu não me vejo apenas formada e dentro de um escritório mofando, apenas suprindo o  desejo deles. Olhem para mim. Reflita. Isso e felicidade? Parem de tentar construir uma estrada para mim, pois na verdade eu irei voar. Eu tenho o céu. Quero liberdade. Quero viver. Nao pensem que quero apenas ficar andando por ai, claro que quero formar, só não quero deixar que isso suba a minha cabeça e eu esqueça a real essência da vida, pois e o que mais vejo. Olhares vazios. Pessoas que trabalham e trabalham e depois morrem. Apenas.
 Nas minhas insanidades consigo ser eu mesma, eu posso unir a obrigação com a liberdade. Nao entendo como fazem questão de dificultar tudo, a liberdade em nossas mãos, a brisa em nossa face. Familia e sociedade saibam de uma coisa: irei viver de minhas insanidades, dos meus sonhos loucos. Sinto muito, não nasci para seguir regras de uma falsa felicidade. Fiquem com seus diplomas de doutores. Que eu irei ficar com meu diploma da vida, da liberdade. E com minha insanidade. Pois tem tanta coisa boa fora de um escritório. Fora de nossas bolhas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário